Parece um tempo distante lembrar que, para chamar um táxi, você precisaria acenar no meio da rua. Hoje, a realidade é completamente diferente, com a comodidade digital, temos uma infinidade de serviços no toque dos nossos dedos. Isso é um exemplo corriqueiro de como o mercado avança em uma nova velocidade. O Blitzscaling é um conceito para empresas crescerem exponencialmente num curto espaço de tempo a trajetória dos seus negócios e “passar de fase” rapidamente.

O Blitzscaling foi criado pelo Reid Hoffman, fundador do LinkedIn e é um dos conceitos mais queridinhos do último ano sobre construir em alta velocidade empresas que servem a um mercado global. Um verdadeiro hit no universo da inovação, das startups e das grandes empresas.

Blitzscaling e a Teoria do Cisne Negro

Já a Teoria do Cisne Negro criada por Nassim Nicholas Taleb, descreve um acontecimento inesperado e raro com grandes ramificações. Esse tipo de evento é quase impossível de prever e é, portanto, dificilmente mitigável. Contudo, se visto com um certo distanciamento, ele parece óbvio e inevitável.

Bom, sobre a COVID-19, acredito que não precisa de apresentações mais detalhadas. Desde o dia 12 de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou estado de pandemia do novo coronavírus estamos globalmente impactados. Talvez a COVID-10 seja um dos maiores cisnes negros da sociedade moderna. A única opção sensata para esse problema global é achatar a curva de transmissão e garantir que profissionais e a estrutura de saúde estejam minimamente disponíveis. Por isso, as autoridades recomendam uma estratégia antiga: os períodos de quarentena.

De 10 dias atrás para cá estamos entrando em uma nova era. Se há poucos dias era impossível imaginar uma vida sem a comodidade digital nos dedos para nossa liberdade e vida social e nas empresas que buscam crescimentos exponenciais, hoje estamos em outro extremo, vivendo em casa de quarentena com temor sobre a vida de pessoas próximas e familiares.

A realidade é que este cisne negro trouxe para nós uma grande e dura realidade, a inovação pela inovação para crescimento exponencial de negócios acabou. Ou pelo menos acabou para os negócios que não resolvem os grandes problemas do mundo.

Inovação e blockchain

Mas afinal, onde está a era de inovação que estávamos vivendo? A computação quântica, a internet das coisas, as impressoras 3D, vr/ar, a inteligência artificial, os veículos autônomos, o blockchain, a biotecnologia e outros.

Temos tudo isso, mas o choque da fragilidade da nossa existência é impactante. Boa parte da população está aprendendo na prática o que é o exponencial, porém através de gráficos de crescimento da pandemia e não de crescimento previstos em conceitos como o blitzscaling. Se você trabalha com inovação e essas tecnologias, acredito ser difícil não estar com o sentimento de impotência e sufocado com outro sentimento, o de comoção.

Quando eu falo que a era da busca por inovação para negócios exponenciais acabou é porque chegou a hora da inovação otimizar resultados reais e sustentáveis a longo prazo. A inovação a partir daqui deve resolver os grandes problemas do mundo e buscar receita aos desamparados estruturalmente, em alternativas sociais para a educação, para a saúde, para a organização de cooperativas mínimas, para os autônomos, para as pequenas empresas, para os recursos escassos do planeta.

Se você é um profissional que trabalha com inovação e está se perguntando o que de fato está acontecendo eu posso dar uma pista. Estamos entrando em uma era onde a inovação, os conceitos, tecnologias e práticas precisam e devem ser usadas para a busca da dignidade.